FANDOM


Work-icon Está página precisa de retoques, porque pode apresentar má ortografia, falta de informações ou é um artigo mal feito...


Seychelles Britânicoball era uma colônia do Império Britânicoball . {{I|UK}}

História: Editar

Portugalball quando deu uma volta ao mundo encontrou ela e contou a seus amigos, e o Reino Unido, não perdendo tempo, pegou ela para sua coleção de Ilhas

Só que na Guerra dos 7 anos Françaball a conquistou e ela acabou virando um ninho de Piratas, é depois de uns anos RU reconquista ela facilmente pois os soldados franceses tavam com preguiça.

Os oficiais das Seychelles queriam que as Seychelles se organizassem como uma colônia autônoma separada dentro do Império Britânico, e as autoridades da colônia mãe, Maurício , os apoiavam. Sir Arthur Gordon , o governador da Mauritânia, enviou uma petição em seu nome a Londres. As concessões foram feitas, mas as Seychelles não se tornaram uma Colônia da Coroa por direito próprio até 1903, quando seu primeiro governador, Sir Ernest Bickham Sweet-Escott, assumiu o cargo. Adequando seu novo status, a colônia adquiriu um jardim botânico e uma torre do relógio no coração de Victoria. A língua e a cultura francesas continuaram dominantes, no entanto.


Os britânicos, como os franceses antes deles, viam Seychelles como um local útil para exilar prisioneiros políticos problemáticos. Ao longo dos anos, Seychelles tornou-se o lar de prisioneiros de Zanzibar , Egito , Chipre e Palestina , para citar apenas alguns. O primeiro na linha de exilados foi o sultão Abdullah, um sultão em Perak, incluindo Lela Pandak Lam , ex-chefe de Pasir Salak em Perakque chegaram em 1875 após sua implicação no assassinato do residente britânico de Perak, JW Birch. Como muitos dos exilados que se seguiram, eles se estabeleceram bem na vida das Seychelles e se tornaram genuinamente apaixonados pelas ilhas. O filho do sultão Abdullah levou para casa uma das músicas populares francesas locais dos ilhéus la rosalè e a incorporou ao hino nacional de seu país. Com novas palavras, mais tarde se tornou Negaraku , o hino nacional da Malásia .


Talvez o mais famoso dos presos políticos tenha sido o arcebispo Makarios, de Chipre , que chegou em 1956. Ele também se apaixonou por sua prisão. "Quando nosso navio deixar o porto", ele escreveu, "levaremos conosco muitas boas e boas lembranças das Seychelles ... que Deus abençoe todas elas". Puxa vida! O cara é preso e ama a prisão que ficou! Claro que a prisão ficava nesse paraíso tropical...


A Primeira Guerra Mundial causou grandes dificuldades nas ilhas. Os navios não podiam trazer bens essenciais, nem tirar as exportações. Os salários caíram; os preços subiram 150%. Muitos se voltaram para o crime e as prisões estavam estourando. Juntar-se ao contingente trabalhista das Seychelles, formado a pedido do general Smuts, parecia oferecer uma fuga. Não foi uma opção fácil, no entanto. A força, com 800 soldados, foi enviada para a África Oriental. Depois de apenas cinco meses, tantos morreram de disenteria , malária e beribéri que o corpo foi enviado para casa. Ao todo, 335 homens morreram.


No final da Primeira Guerra Mundial, a população das Seychelles era de 24.000 e elas estavam se sentindo negligenciadas pela Grã-Bretanha. Houve uma agitação da recém-formada Associação de Plantadores para uma maior representação no governo dos assuntos das Seychelles. Depois de 1929, um fluxo mais liberal de fundos foi assegurado pela Lei de Desenvolvimento Colonial, mas era um momento de depressão econômica; o preço da copra estava caindo e os salários também. Os trabalhadores solicitaram ao governo suas más condições de trabalho e o ônus dos impostos que eles tinham que suportar. Governador Sir Arthur Grimbleinstigou algumas reformas, isentando os grupos de baixa renda da tributação. Ele estava interessado em criar casas-modelo e distribuir pequenas propriedades para os sem-terra. Muitas de suas reformas não foram aprovadas até o início da Segunda Guerra Mundial e tudo foi suspenso.


A Associação de Plantadores fez lobby pelos proprietários brancos, mas até 1937 aqueles que trabalhavam para eles não tinham voz. A Liga dos Povos de Cor foi formada para exigir um salário mínimo , um tribunal de salários e assistência médica gratuita para todos. Durante a Segunda Guerra Mundial, um depósito de hidroaviões foi estabelecido em St Anne para monitorar o transporte regional. Uma guarnição estava estacionada nas ilhas e uma bateria construída em Pointe Conan para proteger o porto. Cerca de 2.000 homens seichelenses serviram nas empresas pioneiras no Egito, Palestina e Itália.


Em casa, as Seychelles tiveram seus próprios distúrbios. O primeiro partido político, a Associação dos Contribuintes, foi formado em 1939. Um governador britânico a descreveu como "a personificação de toda força reacionária nas Seychelles" e estava inteiramente preocupado em proteger os interesses da plantocracia. Após a guerra, eles também se beneficiaram com o voto, que era limitado aos proprietários alfabetizados; apenas 2.000 em uma população de 36.000. Nas primeiras eleições, em 1948, a maioria dos eleitos para o Conselho Legislativo era previsivelmente membros da Associação de Plantadores e Contribuintes.

Depois disso, surgiram vários partidos progressistas que deram a independência a Seychelles como um país socialista {{I|Communism}}

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.